Veias Abertas ou Nada Disso

Mostra individual de David Benadiela Morenu em cartaz de 30 de junho a 20 de Julho de 2016.

Brasúveia, Instalação bidimensional Site-specific

Na Galeria SESC Garagem de Brasília, acontece de 30 de Junho a 20 de julho de 2016 a mostra “Veias abertas ou nada disso” do Artista Visual Morenu. com curadoria de Carlos Ferreira, Morenu apresentou vinte e duas pinturas elaboradas entre 2014 e 2016, assim como a video-instalação anatomia de um fluxo e as instalações “Fome zero” e “Brasúveia”.

Para o Curador da mostra Carlos Ferreira “A produção recente de Morenu dialoga com algumas tendências dominantes da arte contemporânea, como a experimentação e as novas tecnologias. A arte, além de expressar, talvez seja esta atividade humana por excelência que torna existente aquilo que não existe. A partir das suas produções, o artista cria e com este gesto instaurador de novas visões, amplia a experiência de estar no mundo.

Aqui, neste conjunto de trabalhos recentes percebemos o vinculo fundamental e reiterado do artista com a pintura, inclusive na vídeo-instalação “Anatomia de um fluxo”. O cromatismo das suas produções está intimamente arraigado na tradição pós-expressionista abstrata. Suas pinturas dão desdobramentos de um gesto crítico que pretende transformar o mundo vívido.

Sua obra iniciou-se com incursões figurativas e hoje adquire um experimentalismo radical. Os campos cromáticos dialogam abertamente com novas tendências pictóricas. O empasto e a assemblagem, recursos reiterados pela experimentação do artista, se inter-relacionam abertamente em grandes áreas de imersão, onde a crítica social é uma das tónicas dominantes, como na série “Moneyscapes”, neles percebemos algumas das nuances que fazem a experiência de um artista contemporâneo inquieto com o seu tempo, atravessado pelas idiossincrasias dos modelos hegemônicos e apto a abrir as veias para expor o que corre por dentro das emoções.”

Carlos Ferreira

Brasília, Junho de 2016

  • Um salto para liberdade. Acílico sobre painel 190x90

Fotos: D.B. Morenu

Fotos: Fred Guderian Chacon

NÔMADES

A série “Nômades” foi produzida entre finais de 2012 e 2014, inspirada em relatos de pacientes de ambos os sexos em processo de cirurgias de transgenerização, os quais relataram as suas angustias oriundas de conflitos familiares e sociais que os transformaram em verdadeiros nômades que vagam pelo universo de uma sociedade preconceituosa e segregacionista.

  • Here I am | David Benadiela Morenu
    Here I Am. 2012, Acrílico e colagem de acrílico sobre tela, 100x100 Cm, 2013. Coleção particular, MT

 
 
 

Primeiro filme animado feito com pinturas a óleo

29/02/2016 Fonte: Revista Galileu. Captura de Tela 2016-03-10 às 05.40.33

Filme sobre Van Gogh será a primeira longa-metragem feita somente com pinturas a óleo.

 

 

O primeiro filme feito integralmente baseado em pinturas a óleo será feito sobre a vida de Vincent Van Gogh, a produção precisará de no mínimo 12 desenhos e pinturas para produzir um segundo na história da arte.

Dirigido pela pintora e cineasta polonesa Dorota Kobiela e por Hugh Welchman, vencedor do Oscar em 2006, pelo curta “Pedro e o Lobo”, o filme tem uma equipe de mais de cem pintores trabalhando incansavelmente, já que são necessárias cerca de doze pinturas para a montagem de um segundo do longa.

Leia a matéria completa clicando aqui

A OBRA DE MORENU: Heloíza de Aquino Azevedo

Morenu, pintor desde 1979, autor de trabalhos presentes em coleções públicas e particulares de diversos países, participou de exposições, individuais, coletivas e salões de arte nacionais e internacionais. Tem como característica marcante em sua obra a busca constante da forma de expressão humana mais significativa capaz de moldar novos conceitos. Seu primeiro contato artístico com a escultura, agiu como fio condutor essencial para suas escolhas e realizações. Apaixonado pelos desafios da medicina, elegeu a cirurgia plástica, como profissão capaz de interagir com a arte. Para Morenu Arte e medicina são canais de criação inseparáveis, um universo criativo, responsável por escolhas determinantes do futuro individual e coletivo.

Heloíza de Aquino Azevedo 

Heloíza de Aquino Azevedo, escritora, biógrafa e curadora
Heloíza de Aquino Azevedo, escritora, biógrafa e curadora

Escritora e Biógrafa Especializada em Arte, autora de várias publicações, entre elas a Biografia de Cândido Portinari.

Paris, França. Abril de 2013

A OBRA DE MORENU: Valéria Rheis

Valéria Rheis, artista, curadora e diretora da Galería ArthistaUm

A obra de Morenu (Gustavo Rincón Moreno) poderia ser um “ sujeito”. Este artista que já teve trajetória figurativa, atualmente transita na pintura com total liberdade, onde a experimentação na linguagem tem presença marcante na sua construção poética. Sua pintura é rica em tensões, onde as “manchas” buscam explicações. O conteúdo da obra de Morenu tem íntima relação com a sua própria existência e possui extremaforça expressiva. Os elementos de sua pintura marcam claramente suas referências simbólicas,em partes que se somam e criam sua própria identidade.

Artista detentor de um posicionamento político-filosófico marcante, sua produção é expressão pintada e tudo que a cerca é enfatizado e destacado. Cada cor, cada área estabelece mútua e íntima relação, numa conversa calorosa, provocando os sentidos. O olhar é convidado a um deleite explosivo em proporções generosas. O plano pictórico dá vazão, extrapola os limites da tela, nos sendo oferecido em grandes proporções um acesso aberto às percepções estéticas existenciais.

Valéria Rheis

Artista Plástica, curadora e diretora da Galeria Arthista Um.

Caxias do Sul, RS. Setembro de 2014.

RESIDÊNCIA ARTÍSTICA EM NYC, SUMMER 2014.

Oferecida pela Dacia Gallery, localizada em 53 Stanton Street, New York, NY no SoHo, e aberta a artistas do mundo todo, nesta residência de duas semanas de duração, os artistas tem a possibilidade de realizar uma verdadeira imersão no mundo da arte, que dá a oportunidade de melhorar as suas técnicas e poéticas, com sessões de modelo vivo, pintura ao ar livre e workshops com artistas convidados, sobre mercado da arte, portfólio, etc, além de visitas guiadas a galerias e museus. Finalizando a residência houve uma mostra coletiva com os artistas participantes da residência.

Veja o vídeo produzido por Morenu sobre a residência:

IMAGENS DA RESIDÊNCIA

COMPOSIÇÕES ORGÂNICO-GEOMÉTRICAS

Um salto para a liberdade. 100x190 Cm, Acrílico e polímero sintético sobre tela, 2013. Ateliê Morenu. Disponível
Um salto para a liberdade. 100×190 Cm, Acrílico e polímero sintético sobre tela, 2013. Ateliê Morenu. Disponível

Como evolução dos “mindscapes”, as composições orgânico-geométricas são abstrações que valorizam os contrastes cromáticos, utilizando cores complementares e por vezes revisitando a forma, seja explícita ou sugerida através de linhas fluidas e orgânicas. Elementos geométricos por vezes são inseridos nas composições, criando triangulações dinâmicas que conduzem o olhar do espectador pelos diferentes espaços e planos, gerando tensões entre os elementos e dando equilíbrio ou desequilíbrio aos trabalhos, porém sempre mantendo uma harmonia entre os componentes visuais.

FILMES SOBRE HISTÓRA DA ARTE

Por: Morenu

A vida de artistas plásticos sempre fascinou o público em geral, devido ao estilo de vida extravagante que caracterizou muitos dos grandes mestres das artes visuais. Alguns como Vincent Van Gogh e Amedeo Modigliani tiveram uma vida de penúrias e sacrifício, rodeada de conflitos pessoais e sociais; não reconhecidos pela grande crítica e pelo público do seu tempo, morreram na extrema pobreza e hoje, suas obras atingem novos recordes nos leilões internacionais da arte. A continuação uma coletânea de ótimos filmes para entendermos mais sobre a vida destes interessantes artistas.

1. Rembrandt. (1936) Captura de Tela 2016-03-07 às 09.55.40

Título original: Rembrand

Ano: 1936

Direção: Alexander Korda

Roteiro: Carl Zuckmayer, June Head, Lajos Biró

Sinopse:

No ano de 1642, em Amsterdan, o pintor Rembrandt Van Rijin desfruta de uma vida cheia de fama e fortuna. No entanto, com a morte de sua esposa e musa, seu trabalho encontra a escuridão.

 

Curiosidades:

  • A interprete da empregada, Elsa Lanchester, que viria a se tornar amante de Rembrandt no filme, também era a esposa de Charles Laughton.
  • Rembrandt foi filmado pelo diretor Alexander Korda e diretor de fotografia Georges Perineal com uma atenção especial à luz que é particularmente ao estilo utilizado por Rembrandt, apesar de preto e branco.

Elenco: 

Charles Laughton Rembrandt van Rijn
Elsa Lanchester Hendrickje Stoffels
Gertrude Lawrence Geertje Dirx
John Bryning Titus van Rijn
Edward Chapman Fabrizius
Walter Hudd Capitão Banning Cocq
Roger Livesey Saul
Herbert Lomas Harmenzs van Rijn
Allan Jeayes Dr. Tulp
Wilfrid Hyde-White Assistente do Ludwick
John Clements Govaert Flinc

 Clique aqui para assistir o filme (é necessário cadastro no site para assistir sem interrupções. Site seguro e com ótima qualidade)

2. The moon and sixpence (1943) <img class=" wp-image-1212 alignright" src="http://www.morenuartist.com/wp-content/uploads/2016/03/Captura-de-Tela-2016-03-07-às-11.27 check my reference.24-e1457361269391.png” alt=”Captura de Tela 2016-03-07 às 11.27.24″ width=”281″ height=”402″ />

Título original: The moon and the sixpence

Título em protugês: Soberbia

Ano: 1943

Direção: Albert Lewin e John E. Burch (assistant)

Roteiro: Albert Lewin

Idioma: inglês com subtítulos em espanhol

Elenco:

Sinopse:

Nesta adaptação da vida de Paul Gauguin, o escritor Geoffrey Wolfe (Herbert Marshall) conta a história de Charles Strickland (George Sanders), um corretor medíocre da bolsa de valores de Londres que subitamente abandona sua carreira, a sua esposa de 17 anos e se muda para Paris, para começar uma nova vida como pintor.

3. Moulin Rouge (1952) Captura de Tela 2016-03-07 às 11.56.35

Título original: Moulin Rouge

Título em protugês: Moulin Rouge

Ano: 1952

Direção: John Huston

Roteiro: Pierre La Mure

Idioma: inglês

País: Reino Unido

Elenco: José Ferrer
Zsa Zsa Gabor
Suzanne Flom

Sinopse:

Em Paris de 1890, no popular cabaré Moulin Rouge (“Moinho Vermelho”), o jovem artista de família nobre Henri de Toulouse-Lautrec bebe uma garrafa de conhaque e esboça desenhos das dançarinas que se apresentam. Ele é amigo de frequentadores habituais e artistas da casa, tais como a cantora Jane Avril, das dançarinas rivais La Goulue e a argelina Aicha (que constatemente brigam) além do proprietário Maurice Joyant. Joyant faz a proposta de um mês de bebidas grátis para Henry em troca da encomenda de um cartaz publicitário. Henry espera todos os frequentadores sairem da casa, antes que ele também se vá, pois não quer que vejam suas pernas curtas, deformadas por um acidente na infância. Ao se dirigir para o seu apartamento em Montmartre, Henri encontra a prostituta Marie Charlet e inicia um romance com ela. Henry prepara o cartaz que lhe fora encomendado como uma litografia que, apesar de causar estranheza ao proprietário, é aceito.

Ferreira Gullar comenta sobre o “Acima da lei”.

06/03/2016 Fonte: Folha de SP

Captura de Tela 2016-03-06 às 21.40.06Teórico, escritor e Crítico da história da Arte, Ferreira Gullar comenta sobre a polêmica envolvendo a categoria de “acima da lei” na qual foi colocado o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, defendido ferrenhamente por setores da sociedade que se beneficiam de esquemas fortalecidos pela gestão petista ou que foram pagos para se mobilizarem a favor do ex-presidente.    Veja aqui a notícia na folha de SP